© 2019 Argonautas.

  • Instagram Social Icon
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon

ArgoLojinha - Rua Assis Chateaubriand, 68 - Fortaleza - CE

CPF. 855148963-15

Os produtos podem levar até 16 dias úteis para chegar ao destinatário

Suassuna

Single em homenagem ao gigante Ariano Suassuna, nordestino-mor. Ele não ia gostar nada da palavra single, mas esperamos que gostasse da canção. 
Tem um ar medieval e nordestino, típico do Movimento Armorial, por ele fundado.

Para uma obra que valorizamos tanto convidamos a absurda cantora Mônica Salmaso, que, a despeito de nossas expectativas altas, nos surpreendeu com uma interpretação magistral.

Suassuna

Rafael Torres

Mônica Salmaso voz

Rafael Torres  viola e flauta

Ednar Pinho  baixo

Igor Ribeiro  percussão

Luiz Orsano  percussão

Suassuna - Argonautas e Mônica Salmaso
00:00 / 00:00

Suassuna, sua sina é nos sertões se entranhar. Nos sertões enveredar, na seca

mata embiocar.

Sua sanha era o mundo assimilando, abocanhar. Era sanha de profeta, era a sina de pregar.

A sina dura de um Brasil que teima e não se ensina.

Que se macula, se assassina e ainda assim quer se curar.

Teu ”oxente”, o “ok” de tanta gente vem calar. De repente armorial, armo um repente a te intimar.

Suassuna, se não és todo um caboclo sarará. Na couraça o há de ser, ariano, aqui, mulato lá.

Suassuna, sua o sumo dos sertões com que sonhar. Assim, na vida, assina a morte. Assim, na vida, assina a morte, assim, na vida...

 

Arrebata o país que ajuda o gringo a o assaltar. O país que assalta o gringo e

reassiste ao desolar.

Gringo, ao assaltar, ressalta o que desola o poeta. Que se isola, e o que o consola é nos sertões se enfurnar.

 

Seus Brasis reais sonhar.

Suassuna, o banzo do Brasil,

Teu banzo será.

Gravado em 2018 no estúdio Trilha Sonora, Fortaleza, Ceará

Produção: Rafael Torres

Direção Artística e arranjo: Rafael Torres

Gravação: Hugo Lage e Luiz Orsano

Mixagem: Luiz Orsano

Masterização: Homero Lotito (Reference Mastering Studio, SP)

Gravura da capa: Eduardo Macedo

Manual da Leveza

Single cantado pelo sensível Renato Braz. Uma música simples e terna.

Valsa de Viena, de Fortaleza. É sobre até onde se pode viver.

Adicionando um pouco de alívio ao mundo.

Manual da Leveza

Rafael Torres

Renato Braz voz

Rafael Torres  violão e flautas

Ednar Pinho  baixo

Robson Gomes  acordeon

Manual da Leveza - Argonautas e Renato Braz
00:00 / 00:00

Nunca tinha tido essa vontade de

Dançar, de ouvir boleros

Passear pelas calçadas de manhã

Mas quando te conheci por dentro

Concebi poemas, valsas de Viena

Pop-rocks de Liverpool

Tudo que de azul

Tudo menos blue

Seria capaz de redigir o habeas corpus do capeta

Fazer letras pra canções de Tom Jobim

Que a prosódia ficasse de lado

Por alguns versinhos, esse vinho

Esse lençol, essa pele

Esse Vivaldi

Esse Fellini

Pronto, deita tua cabeça

Preta, minha preta

Prova pra quê brilham os astros

Num instante o coração tem

A velocidade das asas de

Um beija flor

     

De manhã olho pro lado

E não vejo ninguém 

Cadê você?

Cadê Rodin?

Cadê Drummond?

Cadê Chopin?

        

Coração saindo pela boca

Quase solto um grito

Então, lá vem você

Trazendo o café da manhã

Voltam os Chopins

Vai-te em paz, divã

   

O brioche e o sorriso escancarado

Um fado em Lisboa

O aboio de um vaqueiro do sertão

Gravado em 2018 no estúdio Trilha Sonora, Fortaleza, Ceará

Voz gavada no estúdio Som do Mar

Produção: Rafael Torres

Direção Artística e arranjo: Rafael Torres

Gravação: Luiz Orsano

Mixagem e masterização: Luiz Orsano